terça-feira, março 13, 2007

Entre.tantos | Procura, oferta e stock existente



É suposto dizer-se que sim ou que não, a alguém que nos procura "sempre" que acaba com @ namorad@, e com quem nunca fomos mais que amigos coloridos?


É suposto sentirmo-nos ofendid@s com isso?

É suposto sentirmo-nos usad@s?

E se também, afinal, é só isso que queremos - "usar"?!

Aceitamos só porque não há mais ninguém "disponível"?

Ou aceitamos porque nos agrada a disponibilidade descomprometida da coisa?

Quanto mais tempo passamos sem alguém menos exigentes ficamos?

Ou quanto mais tempo passa, mais necessidade temos de estar com as pessoas com quem já estivemos?


14 comentários:

Francis disse...

ora bem,

não, não é suposto.
não, já sabemos com o que contamos.
não, deixamo-nos usar.
sim, claro.
é o mais provavel.
tambem pode ser.
não, pelo contrário.
não, espero bem que não.

cheers.

Mint tea disse...

Usamos e somos usad@s. E Sabemos disso.
Provavelmente não será isso que nos apetece mas é provavelmente o que há no momento. Contudo as vezes também nos apetece usar só por usar.. sem compromissos. But then again... só porque tambem não há melhor pra "fazer".

Pseudónia! disse...

Escreveste o que eu já me questionava a algum tempo...


Será que este 'uso' nos faz sentir melhor ou é só uma necessidade fisiológica?

T-2 disse...

se te sentes bem com isso...
não tens pq de te sentir mal...

B.A.B.E. disse...

fazemos perguntas demais...
mas percebo-te tão bem! os homens dão-nos com cada puxão de tapete, xissa!

apetecia-me ser homem para conseguir pensar como o t-2! (tirada genial!)

Isabel Paixão disse...

Destas frases todas a que mais me identifico é a da disponibilidade descomprometida. O não haver compromisso, apenas gozar a química, o feeling, sem pensar em mais nada, apenas gozar... Porque se gosta, porque há cumplicidade, porque há passados. Sem compromisso, sem palavras, sem porquês. É bom para curar mágoas, para nos sentirmos melhor, sabe melhor que as palavrinhas por vezes sem significado que nos dizem quando estamos em baixo. Correr para os braços de alguém, que nos entende ou nos entendeu no passado, se houver essa disponibilidade ou entendimento dos dois, porque não? Sejam felizes mas é, o resto é conversa!

B.A.B.E. disse...

pois... felizes. o problema é como saber ser feliz no momento sem ir caminhando para uma fossa de dor sem fundo.


ui, que bem disposta que eu tou.

ShooGirl disse...

hoje, apetece-me responder:
sim
não
sim
por isso mesmo, se usamos, eles tb nos usam
sim
sim
não
sim

merda para tudo... hoje não há paciência para mais...

*

EhEHEheEHeHeEh! disse...

Aprende a usar os dedinhos para depois nao fazeres destes posts.

B.I.T.C.H. disse...

Fancis: Bebes mais uma?
MinTea: "sabes" bem!
Pseudonia: acho que é mais que fisiologico!
T2: Tão isso!
Amora: fazemos sim. Quanto aos puxões, começo a achar que só mais eu a da-los. Mas a mim propria!
Isabel: Isso não será mais que uma cena colorida?
Shoo: love you so, minha Tica!
Hehehehe: Aprende a usar o cerebro pa depois não fazeres comments destes!

Mak, o Mau disse...

Fazendo uma analogia idiota (o prato da casa), até que ponto um gajo que tenha um restaurante fica satisfeito por ter lá um cliente que só lá vai quando não arranja marcação noutro lado. Continua a dar lucro, mas a sensação de segunda escolha não dá prazer a ninguém, tirando provavelmente a quem antes era uma terceira escolha e, mesmo assim...

Jorge disse...

É suposto sabermos ao que vamos e responder em conformidade.

B.I.T.C.H. disse...

Entendo bem a analogia e até gosto.
Mas como é de minha natureza argumentar até aquilo com que concordo: a tua comida preferida pode ser comida italiana (e é lá que preferes ir sempre) MAS tb gostas de comida Japonesa e se por alguma razão n podes ir ao restaurante italiano, acabas por ficar satisfeito com o Japonês...

B.I.T.C.H. disse...

Jorge que raio de comment é essa?