quinta-feira, outubro 25, 2007

O amor e uma caravana

Ela tirou o curso de Engenharia Ambiental.

Ele era modelo nos Estados Unidos da América.

Conheceram-se no Panamá.

Ela estagiava numa reserva natural.

Ele dava aulas de surf.

Ela apaixonou-se por ele.

Ele fez-lhe juras de amor eterno.

Eles queriam ficar juntos para sempre, no Panamá.

Ele comprou terrenos e planeou a casa que ia construir.

Ela avisou os pais que não voltava.

Eles foram deportados. A lei de Imigração mudou pela primeira vez em 30 anos.

Escolheram Portugal.

Ela pediu aos pais que o aceitassem e os pais não o aceitaram.

Ela tinha uma amiga com uma casa grande demais.

A amiga tinha um projecto de fim de curso para acabar.

"Troca por troca, dou-te casa e fazes-me o projecto"

Ela fez o projecto da amiga e quando acabou, acabou-se a simpatia da amiga.

Eles estão a viver num parque de campismo.

Primeiro numa tenda, agora numa caravana que compraram a crédito.

Ele não fala português e não arranja trabalho.

Ele vai estar ilegal daqui a duas semanas.

Ele faz surf todo o dia.

Ela não consegue tomar banho no parque por causa do frio mas prefere viver ali para vê-lo feliz perto da praia.

Ela não leu bem as letrinhas pequenas do contrato do parque. "O parque de campismo só pode ser utilizado sazonalmente e para fins recreativos e de lazer. É expressamente proibido o seu uso como zona residencial."

Eles vivem escondidos para não perder o dinheiro da caravana.

Ela trabalha todos os dias para pagar o parque, os transportes e a alimentação dos dois.

"Posso ter frio todas as noites, mas ao menos estamos juntos", disse-me ela hoje.
.











Eu só peço um amor metade deste...

13 comentários:

Mike disse...

Eu peço a outra metade que tu dispensas!

code disse...

depois disso tudo só tenho a dizer uma coisa... são uns sortudos!! :)

Bem postado B.A.B.E.!

Abraço,
André.

The Lost Bum disse...

muito bom.

Erg disse...

Isto não devia ser contado num blog, e em um computador. Devia ser contado em uma conversa de amigos em uma noite boa de verão e contado pelos proprios.
Mas pronto, pelo menos faz-nos pensar.... muito.
É mesmo verdade?
Dass..
Infelizmente isto aconteçe muito pouco.

Paul Newman disse...

Eu quero conhecer a irma dela...mulheres dessas ja nao se fabricam...

B.A.B.E. disse...

é mesmo verdade!

mas devia fazer uma actualização do post pq ela acrescentou ontem um pormenor importante...

esperem!
vou fazer!

até já!

invisible me disse...

Acreditam que ainda existem mulheres assim. Podem é não existir sortes assim. A capacidade de entrega das pessoas anda pelas ruas da amargura, mas eu posso-te garantir que ainda há quem acredite no amor acima de todas as coisas. Hoje em dia as pessoas perdem-se nas coisas pouco importantes da vida, e é triste. Já ninguém tem tempo para o outro e para alimentar o amor que pode nascer entre duas pessoas, e esse sim, é o problema. Mas ainda há quem consiga ver para lá do nevoeiro do trabalho e do dinheiro. Acredita.

invisible me disse...

Acreditam que ainda existem mulheres assim. Podem é não existir sortes assim. A capacidade de entrega das pessoas anda pelas ruas da amargura, mas eu posso-te garantir que ainda há quem acredite no amor acima de todas as coisas. Hoje em dia as pessoas perdem-se nas coisas pouco importantes da vida, e é triste. Já ninguém tem tempo para o outro e para alimentar o amor que pode nascer entre duas pessoas, e esse sim, é o problema. Mas ainda há quem consiga ver para lá do nevoeiro do trabalho e do dinheiro. Acredita.

João Freitas disse...

simplesmente espectacular!!! eu só quero um terço, lol

João Freitas disse...

passem em www.designboavida.blogspot.com

Mónica B. disse...

quem não pede...?

Abssinto disse...

Eh, que caraças.... Faz-me lembrar o Charlot e a sua namorada orfã-vagabunda-desempregada em os Tempos Modernos, naquela casa a cair aos bocados e a comer sola de sapato cozida e os atacadores como esparguete.

Muito catita.

maria papoila disse...

Bela história. Arrepiei-me. Tb quero um amor assim...para sempre.